NOTÍCIAS

Data de publicação: Quarta-Feira, 02 de Agosto de 2017

Temer promete MP da nova contribuição sindical, diz Paulinho

Deputado esteve com o presidente nesta 3ª

 

140035-paulinho-forca-sd-gilmar-felix-cd-14fev2017-868x644.jpg

O deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), o Paulinho da Força, disse ao Poder360 que o presidente Michel Temer prometeu criar uma nova contribuição sindical via medida provisória. Paulinho e Temer estiveram juntos às 11h30 desta 3ª feira (1º.ago.2017).

“Ele nos disse que o acordo que fez com as centrais sindicais há algum tempo atrás está mantido, de mandar para cá essa medida provisória”.

O imposto sindical foi extinto pela reforma trabalhista aprovada no Congresso e sancionada por Michel Temer. Para não atrasar a tramitação do processo, o Planalto fez 1 acordo com senadores: faria alterações na reforma via medida provisória. Caso o Senado mexesse no texto, seria necessário voltar para a Câmara.

A nova contribuição seria criada dessa forma. Haveria, porém, resistência no Congresso. O deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), que foi relator da reforma trabalhista, afirmou ser contra. Segundo Paulinho da Força:

“Vai ter gente contra, com certeza. Mas aqui é a Casa democrática. O governo mandando a medida provisória nós vamos conversar com cada uma das bancadas, explicar”.

“O que nós estamos falando agora é da manutenção dos sindicatos com uma nova contribuição que vai ser aprovada nas assembleias democraticamente pelos trabalhadores para poder manter os seus sindicatos”, afirmou.

TEMER ARTICULA
O presidente da República esteve com diversos deputados nesta 3ª feira. Na 4ª, deverá ser votada a admissibilidade da denúncia da PGR (Procuradoria Geral da República) que o acusa de corrupção passiva.

Para o STF (Supremo Tribunal Federal) poder julgar o presidente da República, é necessário aval da Câmara. Com autorização dos deputados, o Supremo pode decidir se aceita ou não a denúncia. Caso aceite, o presidente é afastado. Condenação significaria o fim do mandato de Temer. O peemedebista tenta enterrar o processo na Câmara.

FONTE: PODER 360